Gomes ganha 10 posições, mas continua em situação dramática

2 de outubro de 2011

Depois de uma acirrada batalha com Ricardo Maurício (RC), encerrada apenas na bandeirada quadriculada, Cacá Bueno (Red Bull) venceu a 10ª etapa da Stock Car, disputada neste domingo no Autódromo Internacional Ayrton Senna (Londrina), e assumiu a liderança das superfinais da Stock Car. Foi um final com todos os componentes dramáticos: com problemas no motor, o tricampeão resistiu com a conhecida garra nas derradeiras arremetidas de Maurício, que por pouco não conseguiu a ultrapassagem na reta oposta durante a volta final. Max Wilson, companheiro de equipe de Maurício, completou o pódio e caiu para 2º na classificação geral.

Cacá chegou à 26ª vitória na categoria e à terceira na temporada depois de sair na pole e comandar o pelotão até entrar nos boxes na 7ª volta para o reabastecimento obrigatório. Maurício acabou levando vantagem e surgiu à frente quando todos já haviam feito a parada. A partir daí, os dois começaram a se revezar na ponta, cada qual escolhendo um ponto para superar o rival – Cacá no fim da reta dos boxes, Maurício na reta oposta. “Aconteceu algo com o motor nas três últimas voltas. Acho que estava até com apenas sete cilindros. Se não tivesse poupado um push, eu estaria morto e não poderia evitar a ultrapassagem”, explicou Cacá.

Apesar do domínio exercido por Cacá e Maurício ao longo da prova, a distância sobre os demais pilotos não foi tão grande por causa da entrada do safety car em decorrência de um acidente de Rodrigo Navarro que danificou uma barreira de pneus. Já em plena recuperação na corrida, depois de partir apenas em 19º, Marcos Gomes (Medley/Full Time Sports) ganhou mais algumas posições e cruzou a linha de chegada em 9º, pressionando fortemente Daniel Serra (Red Bull) e Luciano Burti (Boettger). “Fiz o que dava. Sair lá atrás é sempre difícil. Eu até esperava um resultado um pouquinho melhor, mas os caras da frente quase não tiveram problemas”, explicou. O companheiro Xandinho Negrão parou com pane no motor, depois que o radiador furou por causa de um toque do carro de Lico Kaesemodel (RCM).

Com 235 pontos e restando ainda duas provas para o fim do campeonato, dia 16 em Brasília e em 6 de novembro em Interlagos, Cacá soma agora 255 pontos, contra 248 de Max e 246 de Maurício. “Hoje, até o asfalto que deu problemas nos treinos me ajudou, porque o Ricardinho não podia tirar o carro do traçado. Estou mais vivo do que nunca na briga pelo tetra”, avisou Cacá. Dos10 finalistas, apenas Thiago Camilo (RCM) e Átila Abreu (AM) não completaram a prova. O maior prejuízo, no entanto, caiu na conta de Átila. Enquanto Camilo zerou pela segunda vez seguida e complicou demais suas chances depois de liderar o campeonato com folga na fase seletiva, Abreu foi punido por atitude antidesportiva e não poderá descartar a prova – cada piloto tem de eliminar um resultado dos quatro das superfinais.

Foto: Miguel Costa Jr./MF2/Divulgação.