Elias Azevedo pode garantir título no Velopark

6 de outubro de 2011

A regularidade tem sido a chave para o sucesso de Elias Azevedo na primeira temporada do Audi DTCC (Driver Touring Car Cup). O piloto paulista, patrocinado pela Grant Thornton Brasil, tem 132 pontos acumulados em oito corridas disputadas. Seus adversários mais próximos somam apenas 87 – são duas duplas que estão empatadas: Willians Farias/Idenis de Souza e Dennis Rolim/Décio Rodrigues.

São 45 pontos de vantagem em favor de Azevedo. Com 40 pontos em jogo por rodada dupla (cada vitória vale 20), Elias pode garantir o título já no Velopark neste sábado (7) caso mantenha esta vantagem. “Estou indo para lá pensando nas corridas, principalmente na primeira, 100% focado em buscar o melhor resultado. É evidente que com essa vantagem eu não irei correr riscos desnecessários, mas claro que não vou abandonar a busca pela vitória”, afirmou o piloto, dono de quatro vitórias, dois segundos lugares e um terceiro em oito provas.

Os números representam um aproveitamento de 82,5%. Elias tem 132 pontos de 160 possíveis. Em outras categorias do automobilismo, domínio semelhante só é visto na Fórmula 1, com 88,2% de aproveitamento de Sebastian Vettel, da Red Bull (309 pontos de 350 possíveis nas 14 corridas já disputadas neste ano). E assim como o alemão que deve garantir o título já neste final de semana no GP do Japão se somar apenas um ponto, Elias vive situação bastante parecida: pode até ver sua vantagem diminuir em quatro pontos que mesmo assim garante o título com 41 de vantagem.

“É uma situação confortável, mas vai depender muito da primeira corrida. Longe de mim fazer qualquer tipo de comparação, mas é uma coincidência bacana”, admite. “Não posso reclamar, mas trabalhamos durante o ano todo para isso, sempre focando na regularidade e levando uma calculadora dentro do carro, sempre pensando no campeonato”, brincou.

Pelo regulamento, com base na etapa passada, o Audi A3 Sport DTCC de Elias Azevedo levará 55 quilos de lastro (45 pelos resultados e mais dez para a equalização de peso entre todos os concorrentes). “Fica mais difícil, mas pelo menos o asfalto do Velopark não é abrasivo como em Campo Grande ou Brasília, por exemplo. O consumo de borracha no Velopark é bastante moderado. Entretanto, meus pneus deverão sofrer mais do que os dos outros carros”, comparou.

O que anima o paulista é a previsão de chuva para sábado. “Já corremos aqui uma vez e andamos em ambas as condições. Todo mundo sabe como se comportar no Velopark tanto com pista seca como molhada. Mas com o peso que estarei levando, na chuva essa diferença em relação ao grid não fica tão gritante”, explicou. Na sexta-feira, dia dos treinos livres e do classificatório, a previsão é de sol durante todo o período de atividades na pista.

Foto: José Mário Dias e Thiago Pietrobon/Divulgação.