Brasileiros têm corridas distintas na São Paulo Indy 300

29 de abril de 2012

Apesar de não chegar ao pódio, Hélio Castroneves, Tony Kanaan, Rubens Barrichello e Bia Figueiredo fizeram uma prova de recuperação durante a Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé, realizada neste domingo (29), no Circuito do Anhembi, em São Paulo. Os quatro brasileiros permaneceram a maior parte da corrida entre os primeiros colocados. No primeiro terço da prova, Kanaan estava em quarto, Barrichello em quinto, Castroneves em sexto, e Bia Figueiredo era a oitava colocada. Helinho chegou a liderar a corrida em uma das movimentações de parada de reabastecimento e, naquele momento, tudo indicava que figuraria no pódio da prova. Com vitória do australiano Will Power, a corrida teve Helinho em quarto, Barrichello em 10º, Kanaan em 13º e Bia no 20º lugar.

Com o resultado, Helinho soma agora 135 pontos no segundo lugar, 45 atrás de Will Power. “É duro classificar o carro na 20ª posição”, disse Castroneves, referindo-se à sua posição no grid. “Mas hoje pela manhã acordei com uma energia positiva pensando em um bom resultado. A estratégia da equipe no meio da corrida foi muito boa e isso nos colocou no pelotão da frente. Acho apenas que tivemos um problema no motor, pois na troca de marcha ele falhava um pouco. Com a vitória, o (Will) Power abriu 45 pontos de vantagem. A vitória vale 50 pontos e é importante não deixar abrir mais do que isso daqui para a frente”, disse o melhor brasileiro na prova.

Rubens Barrichello permaneceu boa parte da corrida entre os cinco primeiros. Porém, o piloto também reclamou do motor. “Foi uma tarde cheia de aventuras. Tivemos alguns problemas de velocidade em reta, no motor, que eu acho que deve ser de natureza eletrônica. Isso prejudicou um pouco nossa corrida, pois o Tony e o Ernesto Viso (companheiros de Rubens na equipe KV Racing) me passaram sem muitas dificuldades. De modo geral, estou contente pela adaptação e por andar na frente. Nas provas de Fórmula Indy, não dá para se acomodar quando se está em primeiro. Nas relargadas, em fila dupla, tudo pode mudar. Basta ver o que aconteceu com o Dario Franchitti”, explicou Barrichello, se referindo à recuperação do escocês quinto colocado depois de cair para as últimas posições devido a um toque.

O baiano Tony Kanaan manteve um bom ritmo de corrida na primeira metade da prova. Porém, um toque no final da prova envolvendo oito carros tirou suas chances de vencer a competição. “Nosso maior problema ficou por conta das paradas. Se você adota uma estratégia errada, você está fora da briga pela vitória. Foi o que aconteceu com a gente neste fim de semana. Mas é assim mesmo. Somos uma equipe, ganhamos e perdemos juntos”, afirmou Kanaan.

Largando em 21° lugar, Bia Figueiredo ganhou diversas posições depois da bandeira verde. Mas duas punições ao longo da prova acabaram com suas chances de brigar pelo pódio. “Infelizmente, fui punida por passar em velocidade acima da permitida no pit e depois pelo toque no Ed Carpenter. Tive também problemas de velocidade na reta, nosso carro era três milhas mais lento que os demais. Mas estou feliz em função das condições de prova. Andamos entre os primeiros, me adaptei rápido ao carro novo e vamos com tudo para as 500 Milhas de Indianápolis”, afirmou.

Depois de Helinho, o brasileiro melhor colocado é Rubens Barrichello, com 79 pontos. Próximo compromisso dos quatro brasileiros, as 500 Milhas de Indianápolis serão realizadas no dia 27 de maio.

Fotos: Carsten Host e Claudio Capucho / Fotoarena/ Divulgação.

Tags: