Barrichello e Gomes dominam etapa da Stock Car em Cascavel

17 de agosto de 2014

231166_428013_vsm29524_web_Os paulistas Rubens Barrichello (Full Time) e Marcos Gomes (Nova Schin) dividiram as vitórias na rodada dupla da sexta etapa da Stock Car, disputada neste domingo (17) diante de grande público no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel. Com um terceiro e um quinto lugar, o sorocabano Átila Abreu manteve a ponta da classificação de pilotos, seguido por Barrichello e Sérgio Jimenez (Voxx Racing). Júlio Campos, pole da primeira bateria, caiu para o quarto, mas ajudou – juntamente com o 11º e o oitavo de Antonio Pizzonia – a Prati-Mico’s Racing a conservar a liderança entre as equipes.

As duas corridas foram emocionantes, repletas de toques e acidentes e intervenções do safety car. Na primeira, Campos pareceu a ponto de conquistar uma vitória inédita. Dominou o grid de 34 carros desde a largada e conservou a vantagem depois da parada para troca de pneus e reabastecimento. Na volta, no entanto, escapou no Bacião e não pôde evitar a ultrapassagem de Barrichello, que partira em sexto. “Alguma coisa aconteceu depois que coloquei os novos pneus do lado direito. Eu tinha de virar o volante mais do que o normal nas curvas de alta e ficou difícil levar o carro”, explicou o paranaense, que ainda resistiu às investidas finais de Átila para garantir o segundo lugar.

Na segunda, novamente neutralizada pelo carro de segurança após acidentes isolados com Cacá Bueno (Red Bull) e Gabriel Casagrande (C2) na mesma volta, Gomes superou o pole Max Wilson (RC) e não deu chances de reação aos rivais, obrigados a brigar apenas pelo segundo lugar, afinal em poder de Valdeno Brito (Shell Racing). Max completou o pódio, encerrando um longo período de resultados decepcionantes da equipe. Foi a terceira vitória de Gomes no oeste paranaense desde a volta da pista ao calendário da Stock Car.

Apesar de mais um fi dem semana positivo, no qual a equipe chegou pela quarta vez ao pódio da série mais importante do automobilismo brasileiro, Campos e Pizzonia não esconderam uma ponta de decepção pelos incidentes em que foram envolvidos. Campos nem completou a segunda corrida, queixando-se da vibração no volante e da fumaceira que soltava do contato da carenagem dianteira com o pneu direito. “Levei um toque logo na largada e algo quebrou no interior do carro, porque a vibração ficou insuportável”, analisou. Pizzonia disse ao diretor-técnico “Mico” Lopez que não conseguia acompanhar os adversários na reta. “É a quarta corrida seguida que estou sofrendo com este motor. Acho que está na hora de trocá-lo para a próxima etapa”, recomendou.

A Stock Car volta a ser movimentada no dia 14 de setembro, em Curitiba, na abertura da segunda metade do campeonato.

Texto: MF2/Divulgação

Foto: Vanderley Soares/MF2/Divulgação