Hora da decisão!

29 de agosto de 2014

Castroneves_FON14_Pre-race_event_28.08_Champion Trophy_Foto Chris Owens_IndyCar_16C_2060Acompanhe no Carros e Corridas mais uma coluna do piloto Helio Castroneves.

Olá amigos leitores do Carros e Corridas!

Pois é, pessoal, já estou mais do que pronto para a etapa final da IndyCar, que acontece neste sábado a noite no oval de Fontana. Será uma prova de 500 milhas e com pontuação dobrada. Vou ser honesto com vocês, depois de tudo o que aconteceu em Sonoma as chances de ser campeão ficaram um pouco mais difíceis. Não, não me entendam mal, não estou desistindo. Muito pelo contrário, estou super motivado e vou com tudo para a última corrida. O fato de estar com 51 pontos atrás do meu companheiro de equipe, o Will Power, não quer dizer muita coisa porque teremos em jogo 104 pontos na disputa de sábado e eu vou com TUDO!

Castroneves_FON14_OpenTest_27.08_Foto Chris Jones_IndyCar_04CJ8345Claro que as coisas talvez estivessem menos complicadas se terremotos de todos os tipos não tivessem caído na minha cabeça em Sonoma. Mas se a gente analisar com tranquilidade, poderia ser pior e, sabem de uma coisa? Quando mais difícil a luta, mais saborosa é a conquista. É com esse pensamento que acordei na segunda-feira, já participei de diversos eventos aqui na Califórnia e agradecendo a Deus por ser esse privilegiado que sou. Faço o que gosto, estou inteiro, amo e sou amando por minha família, tenho amigos e fãs por todos os lados e não paro de receber palavras de incentivo.

Mas que a corrida de Sonoma foi um terremoto, ah, isso foi!

Primeiro, foi um de verdade. Agora, tentem me acompanhar (como dizia o Goulard de Andrade, lá há muito tempo, Vem Comigo!). Você vai deitar não muito tarde porque no outro dia tem corrida. Esse repouso é fundamental e eu tenho a minha rotina. Aí, lá pelas três e meia da madrugada, você acorda sem saber o que está acontecendo. Numa fração de segundo você não sabe se está tendo um pesadelo ou algo do gênero. Aí, no segundo seguinte, você se dá conta de que está vivendo as “emoções” de um terremoto de verdade.

Helio Castroneves - Foto Cris Jones - IndyCar - DivulgaçãoGente, vou falar uma coisa, acho que nunca levei um susto tão grande na vida. É uma coisa de louco, pois tudo sai do lugar, a começar da cama. As coisas começam a ranger, balançar, cair no chão. Credo, coisa de louco! Para vocês terem uma ideia, o vidro do box do banheiro estourou inteiro. Enquanto tudo isso está acontecendo, os alarmes disparam, as pessoas começam a gritar e vem aquele aviso de “ecavuar”.

Ah, como? Meu, é isso aí.

Nessas horas, vai todo mundo correndo para o lobby do hotel e ver o que acontece. Agora, continuem imaginando. As pessoas saem dos quartos como estão e, então, o lobby vira em desfile de modas de cabeça ara baixo. Agora a gente ri e brinca, mas na hora, meu Deus, que sufoco!

Claro que ninguém consegue dormir depois disso e eu tratei de ir cendinho para a pista. No caminho, o que tinha rachaduras nas estradas e coisas quebradas não era brincadeira. Mas a IndyCar já havia distribuído um comunicado de que as coisas estavam em ordem na pista e foi um alívio constatar isso pessoalmente e, muito mais impotante, ver que as pessoas estavam bem. Cada um tinha uma história para contar e, gaças a Deus, TODOS estavam ali contando histórias.

Ufa, passou o terremoto!

Sim, o de verdade tinha passado, mas aquele domingão reservava um outro, entre áspas, para a hora da corrida. Como eu falei na semana passada, o meu único objetivo em Sonoma era vencer, só que deu tudo tão errado que terminei em 18º. É mole? Na classificação a coisa já não foi legal, pois queria a pole e fiz o 6º tempo.

Beleza, vamos lá!

Larguei com tudo o cuidado, tanto que vocês viram nas imagens que eu fiquei ali no meu cantinho, sem fazer manobras bruscas. Só que o Sebastien Bourdais, sei lá o que aconteceu com ele, me tocou na minha roda traseira esquerda. Isso virou um engavetamento, pois fui para cima do James Hinchcliffe, levei uma batida por trás não lembro de quem e, resumindo, meus objetivos de vitória ficaram ali na largada. Tive de parar nos boxes para trocar o bico, depois voltei para cortar um pedaço da carenagem traseira direita, que estava pegando no pneu, mudamos a estratégia etc. Enfim, fiz o que pude.

Agora somos quatro apenas na disputa do título. Comigo e com o Will estão também o Simon Pagenaud e o Ryan Hunter-Reay. Advinhem em quem o Castroneves aqui está apostando para ser campeão? É por isso que vou para cima. Vocês sabem que eu costumo me dar bem em corridas de 500 milhas, né? Então, todo mundo ligado nesse sábado nos canais da Rede Bandeirantes de Televisão. A largada está marcada, no horário oficial de Brasília, para as 11da noite.

E pegando carona de uma frase do nosso querido Jô Soares, a quem desejo que fique bom logo, beijo do Castroneves!

Não tem nada perdido, não. E vamos que vamos!​ ​

Anuncio2lapizta

Foto: Castroneves Racing.

2007-2014 – carrosecorridas.com.br – Todos os direitos reservados – Proibida a reprodução sem autorização