Equipe Mitsubishi Petrobras se mantém na frente no Atacama Rally

30 de outubro de 2014

238106_449720_301_ar14_gustavoepifanio_010424A etapa em laço, com largada e chegada em Copiapó, região do deserto do Atacama, foi “interessante e importante”, conta Carlos Sousa. Ao lado do navegador Paulo Fiuza, o piloto português venceu novamente a especial. “Foi essencial para o desenvolvimento do carro. Fizemos um trecho mítico, parte do Rally Dakar.”

A etapa foi de navegação complicada e bastante visual. “Os últimos 30 quilômetros foram mais difíceis, pelas dunas”, diz Fiuza. “Viemos treinar e também para que eu e Carlos possamos nos entrosar. Estamos andando num ritmo vivo, de corrida, o que nos ajuda a perceber nossos limites e também nossa capacidade.” Com o tempo de 4h03min32seg, eles seguem na liderança – e têm 1h36min de vantagem em relação ao segundo colocado na geral.

Apesar da dificuldade em transpassar dunas, Carlos explica as técnicas. “A experiência é importante. Você consegue ler as dunas e perceber se a areia está mais dura ou mais macia. E quando está frio, as dunas são mais duras. Por isso há diferença no horário que você passa”, ensina.

238106_449719_300_ar14_gustavoepifanio_010394Já a dupla brasileira Guiga Spinelli/Youssef Haddad, mesmo enfrentando uma batida em uma pedra, completou a especial e está em terceiro na geral. “Depois de tentar por alguns quilômetros passar uma moto, o piloto freou subitamente. Tive que frear também, para não bater, e assim saí da estrada e peguei uma pedra, o que quebrou o pivô da suspensão. Infelizmente não tínhamos no carro a ferramenta necessária para a troca. Isso nos ajudará a rever a organização e a estratégia para nosso próximo desafio”, fala Guiga. “Eu ficaria bem bravo com esse problema no Dakar, mas como o nosso objetivo aqui é treinar, até os imprevistos são positivos. Para o conceito do teste que viemos fazer aqui, não podia ser melhor.”

Mesmo enfrentando alguns erros na planilha, o navegador Youssef faz um balanço positivo do dia. “Viemos num ritmo muito bom. Poderíamos ter feito o conserto bem mais rápido, mas ainda assim conseguimos retomar a especial e andar forte até o final. O ASX Racing veio bem e estamos satisfeitos com os resultados das modificações.”

Os dois ASX Racing da Equipe estão aos cuidados dos engenheiros e mecânicos, que somente voltarão a ver os veículos na noite de sexta-feira, novamente em Copiapó – amanhã, quinta-feira, é a etapa maratona, com chegada a Cifuncho. “Todos os dias aprendemos coisas novas e o carro está num nível muito bom. Agora, começaremos a trabalhar nos ajustes finos em busca de ainda mais performance”, adianta Sousa.

Fotos: Gustavo Epifanio/Mitsubishi-Divulgação.

Texto: Divulgação.