Mudanças no chassi são trunfo de Giaffone para disputar o tetra

30 de outubro de 2014

5580397fc1ff3a6b4df5d8bf24e813a6Dono de três títulos no Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, Felipe Giaffone terá no GP Petrobras, neste domingo (2), a oportunidade de defender a chance matemática de se tornar o segundo tetracampeão da categoria. Para tanto, terá de descontar parte de sua desvantagem em relação ao paranaense Leandro Totti, um de seus companheiros de equipe na RM Competições, líder da temporada com vitórias em seis das oito corridas já disputadas.

O GP Petrobras será disputado em Londrina (PR), no traçado de 3.055 metros do Autódromo Internacional Ayrton Senna, onde Giaffone conquistou a vitória em 2009 e 2011. O paulista está a 34 pontos de Totti na classificação do campeonato e, para seguir na disputa pelo título, terá de reduzir a diferença ao máximo de 31 – a última etapa, marcada para dia 7 de dezembro em Goiânia (GO), terá um máximo de 32 pontos em jogo para cada piloto.

A condição desfavorável na disputa pelo título elimina a pressão. “Eu sei que minhas chances são pequenas. Tudo que quero neste momento é ter um caminhão competitivo”, afirma o tricampeão, que compete desde a temporada de 2013 com o único caminhão MAN do grid – os outros quatro caminhões da RM têm chassi Volkswagen e motor MAN. A busca por melhor rendimento acarretou mudanças de ordem técnica para a partir do GP Petrobras.

4fc09fb349d227af45a3059bee986e78“Temos novidades na parte de chassi e meu maior desafio vai ser deixar o caminhão do jeito que eu gosto com os poucos treinos de um fim de semana de etapa. Mas foi uma opção minha e a equipe se esforçou muito para montar o caminhão”, diz Giaffone. “Meu caminhão sempre teve a frente muito pesada. Achamos que é a cabine, e ainda não conseguimos trocá-la. Mas o novo caminhão é até um pouco mais leve que os outros da equipe”, revela.

O rendimento durante as corridas é apontado por Giaffone como fator de maior dificuldade nas duas últimas temporadas. “Tem sido meu ponto fraco. No campeonato deste ano eu nunca foi muito competitivo, terminei quatro vezes em segundo por conta dos problemas que outros pilotos tiveram. Minha equipe sempre tentou me dar o melhor equipamento, mas talvez o peso da cabine, que é alto, esteja me atrapalhando”, analisou o paulista.

Nas duas vitórias que conquistou na Fórmula Truck em Londrina, Felipe Giaffone conquistou a pole position. “O treino classificatório vale muito, porque é uma pista bem difícil para você conseguir ultrapassar. Agora é questão de ver quanto esse peso a menos, que conseguimos com a mudança no chassi, pode ajudar”, finaliza o piloto, que esteve no pódio das últimas sete corridas e ainda persegue sua primeira vitória na temporada de 2014.

Fotos: Orlei Silva/Grelak Comunicação

2007-2014 – carrosecorridas.com.br – Todos os direitos reservados – Proibida a reprodução sem autorização.