Vitória de Ricardo Maurício e Felipe Fraga em Curvelo

20 de novembro de 2016

299893_660197_fabiodavini47293-640x426A Stock Car estreou o Circuito dos Cristais, em Curvelo (MG), em grande estilo. As duas primeiras corridas da história da categoria em solo mineiro trouxeram um misto de agressividade na primeira prova e frieza na economia de combustível na segunda.

Felipe Fraga conquistou sua quinta vitória na temporada – mais uma vez na corrida de 45 minutos, que dá 30 pontos ao vencedor – e estendeu sua vantagem na liderança sobre Rubens Barrichello de 29 para 37 pontos. “A corrida foi muito boa, a gente tinha um carro perfeito e estou muito feliz”, resumiu.

“A equipe fez um carro perfeito, foi uma corrida tranquila, no começo não sei por que meu push não acionou, depois tive que passar o Barrichello, mas foi tranquilo. Quero agradecer a minha equipe, o Marcos (Gomes) pelo grande trabalho de equipe, agradecer a galera de Curvelo pelo belo autódromo”, dedicou o líder do campeonato.

299893_660192_fff_5825-640x427Em segundo na prova terminou seu companheiro de equipe Marcos Gomes, seguido de Rubens Barrichello, que apesar da intensa disputa com Fraga na parte inicial da prova, optou por adotar um ritmo conservador para só então atacar Allam Khodair pelo terceiro lugar e chegar ao pódio.

Tudo pensando na segunda corrida, que foi vencida por Ricardo Maurício, outro que adotou uma “tática forçada”. Penalizado pelo toque com Marcos Gomes ainda na Corrida do Milhão de Interlagos, em setembro, o piloto da Eurofarma-RC teria de largar da última posição. Por isso, optou por partir dos boxes – o que evita que tenha de cumprir a volta de apresentação e alinhamento – e economizar combustível apostando na segunda prova.

“Ter largado dos boxes me deu essa volta extra de combustível, com certeza”, apontou. “O Tuka apertou o ritmo também. Então ter largado dos boxes me deu estes três ou quatro litros extras, caso contrário não teria conseguido. Foi uma corrida super disputada, não foi fácil. Iríamos largar de último, e aí optamos por sair dos boxes justamente para economizar”, disse o vencedor da segunda prova, que teve a companhia de Tuka Rocha e Daniel Serra no pódio.

299893_660193_fff_6312-640x427A aposta geral era de que, pela quantidade de batidas e escapadas de pista durante os treinos, fossem necessárias algumas intervenções do safety car. Isso só aconteceu durante a primeira corrida, e durante apenas duas voltas. Depois, nenhuma outra intervenção. Mesmo assim, poucos pilotos pararam para abastecer na primeira corrida, apostando que o carro de segurança pudesse entrar na segunda prova.

Desta vez, não foi preciso. Então, restava economizar. Alguns ficaram pelo caminho nas voltas finais, outros correram para os boxes. Rubens Barrichello, terceiro na primeira corrida, economizava o máximo que podia. Quanto Diego Nunes e Átila Abreu, então líderes, pararam para abastecer, o vice-líder do campeonato assumiu a ponta.

Ricardo Maurício e Tuka Rocha se aproximavam – os dois chegaram a se tocar no fim da reta em uma tentativa de ultrapassagem por parte do piloto da RZ Motorsport -, e no final Barrichello teve que forçar um pouco mais. Quando parecia que o campeão de 2014 conseguiria, seu carro falhou, sem gasolina, a metros da linha de chegada, na entrada da reta principal.

“Não deu, infelizmente”, lamentou Rubinho. “Eu economizei bastante e ninguém conseguiu. Eu quase consegui. Hoje em dia estão falando que essa tática passou a se chamar ‘Estratégia Rubens’, então é muito legal ser visto desta maneira”, consolou-se. “Uma pena que não tenha dado para vencer, mas já sou grandinho para aceitar. A gente tentou o nosso melhor, e faltou muito pouco”, reconheceu.

299893_660202_fabiodavini48989-640x404Ricardo Maurício corroborou as palavras do colega de pista. “O Rubinho é excelente para economizar combustível; ele conseguiu muito mais do que os outros pilotos. O carro dele falhou na última curva, ele veio se arrastando”, narrou.

Agora, a Stock Car deixa Minas Gerais e retorna a São Paulo, onde acontece a grande final da temporada 2016 e a decisão do título. A corrida, que será única e valendo o dobro de pontos (em relação à pontuação da primeira corrida das rodadas duplas), será disputada no Autódromo de Interlagos no dia 11 de dezembro.

Com 60 pontos em jogo na capital paulista, Felipe Fraga alimenta 37 sobre Barrichello, tendo somado 282 após a rodada dupla de Curvelo; Barrichello tem 245. Valdeno Brito continua em terceiro, com exatos 200, cinco a mais que Marcos Gomes, o quarto colocado.

 

Classificação do Campeonato:
1-) 88 Felipe Fraga – 282 pontos
2-) 111 Rubens Barrichello – 248
3-) 77 Valdeno Brito – 200
4-) 80 Marcos Gomes – 192
5-) 70 Diego Nunes – 173
6-) 29 Daniel Serra – 169
7-) 65 Max Wilson – 167
8-) 51 Átila Abreu – 166
9-) 90 Ricardo Mauricio – 162
10-) 46 Vitor Genz – 158
11-) 18 Allam Khodair – 157
12-) 0 Cacá Bueno – 146
13-) 21 Thiago Camilo – 141
14-) 4 Julio Campos – 132
15-) 28 Galid Osman – 128
16-) 73 Sergio Jimenez – 110
17-) 10 Ricardo Zonta – 108
18-) 83 Gabriel Casagrande – 89
19-) 5 Denis Navarro – 88
20-) 8 Rafael Suzuki – 83
21-) 9 Guga Lima – 81
22-) 63 Nestor Girolami – 77
23-) 26 Raphael Abbate – 68
24-) 12 Lucas Foresti – 65
25-) 3 Bia Figueiredo – 58
26-) 25 Tuka Rocha – 54
27-) 66 Felipe Guimarães – 51
28-) 74 Popó Bueno Cavaleiro – 46
29-) 110 Felipe Lapenna – 41
30-) 56 Danilo Dirani – 30
31-) 99 Xandynho Negrão – 23
32-) 117 Guilherme Salas – 19
33-) 14 Luciano Burti – 11
34-) 45 Fabio Carbone – 2

Texto: Vicar/Divulgação.

Fotos: Fernanda Freixosa – Duda Bairros – Fávio Davine/Vicar-Divulgação

Copyright© 2007-2016 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: