Surpreendente vitória de Daniel Ricciardo na China

18 de abril de 2018

A vitória do australiano Daniel Ricciardo no GP da China, no último domingo (15), encantou os fãs da Fórmula Um no mundo todo. O piloto da equipe Redbull foi o melhor piloto na pista. Ele mais uma vez, mesmo teoricamente inferiorizado em equipamento, mostrou uma fantástica capacidade de aproveitar ao extremo qualquer oportunidade que surja durante um Grande Prêmio, sem por em risco a sua permanência na pista. Todas as suas seis vitórias na categoria máxima do automobilismo aconteceram em corridas nas quais ele partiu da quarta posição ou pior no grid de largada.

Ricciardo mostrou mais uma vez o domínio que tem do seu monoposto. A pilotagem beirou a perfeição, não poupando seus recursos técnicos nas ultrapassagens que realizou, impressionando o público. O australiano se mostrou o mais competitivo na pista, atacando os adversários no momento certo, com precisão cirúrgica realizando ultrapassagens. Quando aproximava dos adversários, ninguém sabia o que esperar de suas manobras.

Na pista chinesa, o nível de sua habilidade foi ainda mais evidente, principalmente se contrastado com o companheiro de equipe Max Verstappen, que deixou escapar o que poderia ser uma vitória garantida. Max simplesmente cometeu um erro quando tentou ultrapassar Lewis Hamilton (Mercedes) e repetiu a manobra errada em cima de Sebastien Vettel (Ferrari). Alguns justificam esse ímpeto desenfrado a pouca idade de Max (20 anos) . Mas no terceiro ano na categoria, já poderia apresentar uma técnica pais apurada. Há muito sobre a arte de ultrapassar que ele poderia aprender com o companheiro de equipe.

Antes da corrida, seriam poucos os torcedores capazes de apostar em uma vitória da Red Bull no Grande Prêmio da China à luz de como foi a classificação e o primeiro período da corrida. É verdade que o safety car criou as condições necessárias para mudar as coisas, mas é preciso dizer que a equipe comandada por Christian Horner provou que era ágil e disposta a correr riscos que a Mercedes e a Ferrari não conseguiam ou não queriam assumir.

A Red Bull chamou os seus dois pilotos para uma segunda parada. Por duas vezes, se mostrou preparada para a repetição do pit stop, fazendo uma aposta, que as outras duas equipes que estavam lutando pela liderança, Ferrari e Mercedes não estavam preparadas para uma segunda parada. Parecia que na parte inicial da corrida que a Mercedes está aderindo a uma abordagem mais burocrática quando se trata de gerenciar a corrida. A Red Bull, por seu turno, parece ter uma abordagem mais flexível no gerenciamento de corrida. Ter dois pilotos como Ricciardo e Verstappen, sempre dispostos a aceitar rapidamente e se adaptar às mudanças táticas de sua equipe. Domingo, essa visão da competição definitivamente valeu a pena.

Após conseguir duas vitórias na duas primeiras corridas da temporada, e fazer a pole position e dobradinha na largada, mas concluem a prova com apenas um terceiro e um oitavo lugar, deve ter sido desapontador para a Ferrari. Mesmo que na sede da fábrica, em Maranello, eles estejam provavelmente satisfeitos por terem perdido para a Red Bull ao invés da Mercedes. No entanto, era evidente os avanços tecnológicos obtidos pela equipe italiana. Enquanto a campeã Mercedes chegava à China como favorita, a Ferrari provou ter uma vantagem em uma pista muito diferente do Bahrein, e o clima também foi um fator decisivo. Vários incidentes se mostraram caros para Vettel, e Raikkonen perdeu a chance de lutar pela vitória desde o início, apesar de ter conseguido voltar ao pódio de maneira inesperada. Embora tenha sido um dia sofrido para a Ferrari, se as corridas continuarem assim, teremos uma temporada emocionante, com boas chances para os monopostos vermelhos.

Se conseguir que os dois pilotos se recuperem do líder do campeonato e reconquiste a liderança na classificação dos Construtores, isso é positivo ou negativo para o fim de semana? Em teoria, é positivo, mas acho que, em seus corações, Mercedes pensa de forma diferente.

Pela primeira vez desde que a F1 usou a unidade de energia híbrida V6, a estrela de três pontas não conseguiu vencer por três corridas seguidas e é a primeira vez no mesmo período em que não conseguiu vencer em Xangai, tendo terminado anteriormente no degrau mais alto do pódio três vezes com Hamilton e uma vez com Rosberg.

Sua série de poles positions consecutivos é ainda maior nesta pista, que remonta a 2012. O que está acontecendo com a força dominante na atual era de F1? Em todas as três corridas até agora nesta temporada, A Mercedes teve a chance de ganhar. O finlandês Valtteri Bottas estava liderando na China, mas a equipe falhou. Os adversários são mais fortes e em maior número do que o ano passado (Ferrari e Redbull). A vantagem técnica que a Mercedes tem mantido nos últimos quatro anos parece que foi drasticamente reduzida. O que eles podem fazer para mudar as coisas? A equipe precisa permanecer focada e consertar todos os pequenos problemas que se acumulam e contribuem para a perda de corridas. Eles são o mesmo time que tem sido tão dominante e eles não se esqueceram o que sabem e precisam fazer.

Em Xangai, assistimos a uma corrida que foi muito tática nos estágios iniciais . Em seguida, toda sorte de imponderabilidades foi solta entre as três equipes líderes, que estavam todas juntas, ao invés de se separar como foi o caso no Bahrein. Havia muita coisa acontecendo por trás dos líderes, com duelos disputados, ultrapassagens, colisões e alguns bons impulsos.

Um dos melhores desempenhos veio da Renault, que pela primeira vez nesta temporada levou seus pilotos a zona de pontuação. É realmente encorajador ver o progresso que eles fizeram e um belo aniversário de 60 anos para o diretor técnico da Renault, Bob Bell.

Como de costume, o espanhol Fernando Alonso conseguiu extrair algo extra de sua McLaren que não parecia possível na teoria, em face da monumental desvantagem de equipamento. Como foi em Bahrein, e novamente na China, a diferença entre os três primeiros e o resto do pelotão era grande demais. Na volta 16, antes da corrida de pit stops, a diferença do líder Vettel para o sétimo colocado Kevin Magnussen foi de mais de 35 segundos. O Safety Car tranformou um pouco o quadro, mas de forma insuficiente para ver um piloto do segundo grupo se juntar à luta por lugares no pódio.

Em menos de duas semanas, estaremos correndo em Baku, no Azeibarjão, que no ano passado viu a única conquista de pódio por um piloto de fora das três melhores escuderias: o Williams Lance Stroll. Poderia o retorno a este circuito de rua dar um resultado fora das três melhores equipes? Isso ainda parece altamente improvável.

 

Texto: F1/Divulgação.

Fotos: F1/RedBull Racing/Scuderia Ferrari/Mercedes GP Petronas F1-Divulgação.

Copyright© 2007-2018 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: