Bruno Senna está fora das Seis Horas de Silverstone

17 de agosto de 2018

Bruno Senna passou por um enorme susto nos treinos livres que abriram, nesta sexta (17), a programação das Seis Horas de Silverstone, terceira etapa da supertemporada do Campeonato Mundial de Endurance – FIA WEC. Ainda nos minutos iniciais da primeira sessão, o piloto perdeu o controle do protótipo LMP1 da Rebellion Racing e acertou em cheio o muro que circunda a curva Copse, uma das mais velozes do tradicional circuito inglês. Bruno conseguiu deixar o cockpit sozinho, foi atendido pelas equipes de resgate e transferido para o centro médico do autódromo, onde foi constatada a fratura do tornozelo direito.

Bruno está fora do restante da programação do fim de semana, mas conseguiu enxergar o aspecto positivo de um acidente com potencial mais do que ameaçador – saiu da pista a 230 km/h. “Acho que ainda saí no lucro. A pancada foi muito forte e fiquei com medo de ter quebrado o fêmur, porque me virei todo dentro do carro. Mas o monocoque resistiu bem e ainda vai ser recuperado para os ensaios e a classificação de amanhã.  Não sofri praticamente mais nada, a não ser um pouco de dor nos quadris”, afirmou, antes de ser submetido a exames complementares que descartassem qualquer outra consequência do impacto.

O dia, na verdade, já não havia começado bem. Ainda antes, quando deixava os boxes, Senna recebeu um toque na traseira de uma Ferrari que o mandou para o muro e o obrigou a voltar para os reparos. Depois, veio o mais grave na segunda volta com o pé embaixo. “Peguei uma zebra na Copse, as rodas saíram do chão e não deu para fazer mais nada. Já sofri alguns acidentes na minha carreira e este pode ser tranquilamente incluído na lista dos mais sérios. Dei sorte, porque foi apenas uma fratura leve. Poderia ter sido muito pior, mas também poderia sair completamente ileso se a perna ficasse um pouco mais protegida”, constatou.

A conselho dos médicos que o atenderam, Bruno já procurou um especialista em Londres para iniciar o processo de recuperação. Na avaliação inicial da equipe que o assistiu no autódromo, ele deve permanecer em repouso por cerca de seis semanas e, em seguida, iniciar o tratamento fisioterápico. “Quero começar logo para voltar o mais rápido possível”, avisou. Bruno deve ser forçado a abrir mão de compromissos com a McLaren, para a qual trabalha como embaixador, mas aposta na volta em plena forma nas 6 Horas de Fuji, marcadas para 13 de outubro, no Japão. “Até lá, estarei totalmente recuperado”, garante o piloto.

Texto: Márcio Fonseca/MF2/Divulgação

Foto: MF2/Divulgação

Copyright© 2007-2018 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: