Júlio Campos espera por boa corrida em Cascavel

4 de setembro de 2018

A Stock Car chega à Cascavel, neste domingo (9), para a oitava etapa da temporada. O circuito, além de ser um dos mais desafiadores do calendário, traz excelentes memórias para o piloto paranaense Júlio Campos. Ele é o recordista de pódios na pista: foram quatro no total, igualando-se a Valdeno Brito e Max Wilson neste quesito.

“Gosto muito da pista de Cascavel. É um circuito de alta [velocidade], bem desafiador. A curva mais esperada do ano está lá: o famoso Bacião. Sempre me saí muito bem e espero que este ano não seja diferente. Em qualquer pista, você tem de ser rápido, mas em Cascavel o desafio é maior porque é um autódromo que não dá chances para estratégias malucas. Vence o melhor mesmo”, comenta Júlio.

Além de quatro pódios, ele possui também uma pole position registrada no circuito, em 2014.

O histórico da equipe também não deixa por menos. Como chefe, Rodolpho Mattheis já viu o time vencer três vezes em Cascavel. “Em 2015, quebramos o recorde de pontos fazendo uma dobradinha na primeira corrida e um segundo lugar na segunda prova”, conta Rodolpho. “No ano passado, já com o patrocínio da Prati-Donaduzzi e nossa dupla atual, colocamos os dois carros entre os dez primeiros no grid de largada. Cada corrida é diferente, mas é um retrospecto que nos enche de otimismo”, completa.

Outro fator de motivação é que a pista de Cascavel fica apenas 50 km de distância da cidade de Toledo, sede da Prati-Donaduzzi. Ou seja: torcida não vai faltar.

“No ano passado, nosso carro estava bem competitivo em Cascavel e nos classificamos bem”, lembra Antonio Pizzonia, companheiro de equipe de Júlio Campos na Prati-Donaduzzi. “É uma pista que proporciona muitas ultrapassagens, tem corridas mais agitadas. E o desgaste de pneu é relativamente alto, o que exige bastante trabalho no ajuste do carro”, acrescenta Pizzonia.

De acordo com Rodolpho Mattheis, a pista de Cascavel vai contribuir também para um bom desempenho dos carros, que sofreram com superaquecimento em Campo Grande. “Não teremos problema de refrigeração de motor em Cascavel, porque a pista não é tão suja e provavelmente as temperaturas não serão tão elevadas”, destaca. “Na última prova, a categoria teve um problema crônico devido ao acúmulo de sujeira na pista, que obstruiu a entrada dos radiadores de onze carros, ocasionando superaquecimento dos motores”, conclui.

Texto: Tabloid Comunicação/Divulgação

Foto: Rodrigo Guimarães/Divulgação

Copyright© 2007-2018 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: