Piquet Jr. é terceiro na temporada 2020 da Stock Car

13 de dezembro de 2020

Chega ao fim a 42ª temporada da história da Stock Car. Em um ano em que o mundo literalmente parou, em virtude da pandemia global do coronavírus, a principal categoria do automobilismo nacional teve de se adaptar, mas acelerou como nunca e, mesmo sem contar com todo o apoio dos fãs nas arquibancadas, deu um show. Seguindo rigorosos protocolos de segurança, a Stock Car exibiu uma das temporadas mais acirradas dos últimos anos, com 13 vencedores diferentes em 18 corridas. Todas realizadas no segundo semestre.

Comandada por Maurício Ferreira, a equipe Full Time encerrou sua 13ª temporada na categoria com dois pilotos entre o Top-8 do campeonato.

Neste domingo (13), na 12ª e última etapa da temporada, no autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo (SP), Nelson Piquet Jr. conquistou seu sexto pódio em 2020, terminando a etapa com um terceiro lugar, atrás do campeão Ricardo Maurício e do vice-campeão Ricardo Zonta. Após cruzar a linha de chegada em quarto, o piloto herdou o terceiro posto, em virtude da punição sofrida por César Ramos, que havia sido o segundo.

Com o resultado, Piquet Jr. alcançou sua melhor posição na classificação final, nestes três anos na categoria, ficando em sétimo lugar (224 pontos), logo atrás de seu companheiro Rubens Barrichello (232), que também chegou à decisão com chances de título. O campeão de 2014, no entanto, sofreu um drive thru durante a disputa e completou a prova em 17º.

Rafael Suzuki também conseguiu um bom resultado para a Full Time em Interlagos. Depois de largar em 18º e cair para 21º, o piloto fez uma grande prova de recuperação para cruzar a linha de chegada em 11º. O piloto do Corolla #8, que venceu pela primeira vez na Stock Car este ano, encerrou o campeonato na 14ª posição geral (172 pontos).

A bordo do quarto Corolla do time, o argentino Matías Rossi também tinha boas chances de terminar mais à frente. Mas, quando era o 11º na disputa, teve um problema elétrico, que o obrigou a abandonar. O multicampeão da Super TC e TC2000 finalizou sua primeira temporada no Brasil com um pódio (segundo lugar no Velocitta) e em 18º lugar na tabela (121 pontos).

Único time com quatro Corollas na Stock Car, no ano de estreia da montadora, a equipe Full Time chegou à decisão com dois pilotos com chances de lutar pelo título e foi ao pódio em sete dos oito finais de semana de provas.

Além disso, os quatro pilotos da equipe subiram ao pódio em 2020. Três deles com vitórias, dois pela primeira vez na Stock Car (Piquet Jr. em Interlagos e Suzuki em Londrina). No total, em 18 corridas, foram 11 pódios na temporada: três vitórias, cinco segundos lugares e três terceiros. Entre as equipes, a Full Time Bassani terminou o campeonato em quinto, com 396 pontos, e a Full Time Sports em sétimo, com 353.

Fim de um ciclo extremamente positivo – A etapa deste domingo também marcou o fim de um ciclo de muitos resultados positivos com Piquet Jr. na Full Time nas últimas três temporadas.

Em 31 finais de semana e 58 provas defendendo o time nas pistas, o piloto faturou dez pódios. Além da vitória na segunda etapa, em Interlagos, e do terceiro lugar deste domingo, Piquet Jr. também foi ao pódio em mais quatro oportunidades em 2020 (foi três vezes segundo – na etapa 1 em Goiânia, em Curitiba e na etapa 11 em Goiânia – e também foi terceiro em Londrina).

“Foi uma corrida muito acirrada. Largamos em quinto, terminamos em terceiro e fiquei muito feliz com o resultado. Na disputa de uma corrida única, foi um de nossos melhores finais de semana, o carro estava muito competitivo”, declarou o piloto do Corolla #33.

“Chegamos ao fim deste ciclo de três anos com este carro maravilhoso da Texaco. Queria agradecer muito aos patrocinadores e aos mecânicos que deram o sangue nos últimos anos. Aprendi muito neste período”, completou Piquet Jr.

Barrichello agradece chance de disputar mais uma final – Campeão de 2014, Barrichello não completou a temporada 2020 da forma como gostaria. Depois de largar em décimo, o piloto da Mobil ALE Full Time Sports acabou se envolvendo em um incidente e foi punido ainda no início da prova.

Numa forte freada no S do Senna, Barrichello acertou a traseira do carro de Marcos Gomes, que acabou rodando. O piloto cumpriu o drive thru e caiu para o fim do pelotão, completando a etapa em 17º. Foi a oitava temporada de Barrichello na Stock Car, todas com a Full Time. Em metade delas, o piloto chegou à última etapa disputando o título.

Nesta temporada, o dono do Corolla #111 venceu uma prova (corrida 2 em Goiânia), foi segundo (corrida 2 em Londrina) e terceiro (corrida 2 em Goiânia). Completou todas as provas e só não marcou pontos em uma. Na categoria, já são 159 provas, nove poles, 14 vitórias e 37 pódios no total.

“Chegamos ao final do campeonato. Um campeonato que não terminou da forma como nós queríamos, que era ser campeão, mas de qualquer forma é uma somatória de tudo. Foi um ano atípico, um ano de muitos altos e baixos, de muito mais altos que baixos, mas a gente não teve a performance que a gente queria ter. Ganhamos lá no começo, mas depois foi meio que se defendendo pra chegar onde a gente chegou”, analisou Barrichello.

“Mas cheguei a mais uma final, lutando pelo campeonato, o que me deixa muito feliz aos 48 anos de idade”, lembrou.

“Na corrida de hoje, tomei uma punição correta pela batida com o Marcos Gomes. Mas isso não tira o brilho de um campeonato onde mais uma vez brigamos, com esses meninos maravilhosos da equipe, que trabalham duramente”, destacou.

“Mas também peço a análise, porque a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) corretamente puniu aquilo que viu na televisão, só que o carro #80 havia queimado a largada e vem fazendo isso há algum tempo. Deixa um espaço e depois vem acelerando. O espaço do carro número #5 existia ali, só que ele acelerou muito antes, ele passa a 20 km por hora a mais. Ou seja, não deveria estar ali no momento que existiu a batida. De qualquer forma, a punição foi correta, porque a batida por trás está sempre errado quem está ali”, continuou Barrichello.

“Vamos voltar cada vez mais fortes. 2021 está ai e a Stock Car vem com tudo”, finalizou o piloto.

Suzuki e Rossi: primeiro ano na Full Time com vitória e pódio
Suzuki e Rossi completaram a primeira temporada com a Full Time. Suzuki, que já está na Stock há sete temporadas, encerrou com sua melhor posição final. Rossi, que correu pela primeira vez no Brasil, destacou o aprendizado e o gostinho de quero mais para 2021.

“Foi um domingo forte. Larguei em 18º, caí para além de vigésimo e vim passando um a um. Cheguei em 11º, depois de um pit stop muito bom. O carro estava muito bom. Então, foi bom ter terminado por cima. Claro que a gente queria muito mais que um 11º, mas acho que a temporada foi positiva de uma forma geral. Tivemos alguns altos e baixos, mas também a minha primeira vitória na Stock Car e resultados muito bons. Estou feliz, porque acabamos o ano andando rápido”, enfatizou Suzuki, vencedor da corrida principal de Londrina.

Rossi mostrou a raça argentina em pistas desconhecidas e terminou seu ano de estreia com um pódio, conquistado no Velocitta, quando foi o segundo na corrida 2. Também surpreendeu ao largar em segundo na Corrida do Milhão, em Interlagos. Na temporada, foi o 18º colocado.

O piloto lamentou o problema que o impediu de chegar mais à frente neste domingo. “Lamentavelmente, tivemos um problema elétrico e fomos obrigados a abandonar, quando vínhamos numa boa posição. Queria agradecer a toda equipe Full Time, à Toyota Argentina e à Toyota Brasil por essa oportunidade. Foi um ano muito bom para mim, por estar aqui e pude aprender muito. Isso pra mim é o mais importante. Desfrutei muito da Stock Car e espero que o ano que vem seja ainda melhor”, concluiu o piloto do Corolla #117.

A temporada 2021 da Stock Car está prevista para começar em março. Serão 10 etapas ao longo do ano.

Resultado da corrida final em Interlagos:
1º Ricardo Mauricio (Eurofarma-RC/Cruze)
2º Ricardo Zonta (RCM Motorsport/Corolla) a 3.309
3º Nelson Piquet Jr (Full Time Bassani/Corolla) a 5.002
4º Daniel Serra (Eurofarma-RC/Cruze) a 6.776
5º Cesar Ramos (Ipiranga Racing/Corolla) a 6.893
6º Galid Osman (Shell V-Power/Cruze) a 14.770
7º Bruno Baptista (RCM Motorsport/Corolla) a 18.395
8º Allam Khodair (Blau Motorsport/Cruze) a 18.719
9º Gaetano di Mauro (KTF Sports/Cruze) a 19.254
10º Guilherme Salas (KTF Sports/Cruze) a 19.294
11º Rafael Suzuki (Full Time Bassani/Corolla) a 19.853
12º Diego Nunes (Blau Motorsport/Cruze) a 20.040
13º Átila Abreu (Shell V-Power/Cruze) a 23.183
14º Julio Campos (Crown Racing/Cruze) a 25.261
15º Cacá Bueno (Crown Racing/Cruze) a 28.281
16º Pedro Cardoso (R. Mattheis Motorsport/Cruze) a 35.052
17º Rubens Barrichello (Full Time Sports/Corolla) a 44.094
18º Tuca Antoniazi (Hot Car Competições/Cruze) a 2 Voltas
19º Marcos Gomes (Cavaleiro Sports/Cruze) a 4 Voltas
20º Matias Rossi (Full Time Sports/Corolla) a 7 Voltas
21º Denis Navarro (Cavaleiro Sports/Cruze) a 10 Voltas
22º Lucas Foresti (Vogel Motorsports/Cruze) a 13 Voltas
23º Felipe Lapenna (Vogel Motorsports/Cruze) a 14 Voltas

Classificação final do campeonato (Top-10):
1º – Ricardo Maurício – 291 pontos
2º – Ricardo Zonta – 278
3º – Daniel Serra – 275
4º – Thiago Camilo – 238
5º – Cesar Ramos – 237
6º – Rubens Barrichello – 232
7º – Nelson Piquet Jr. – 224
8º – Gabriel Casagrande – 224
9º – Allam Khodair – 221
10º – Guilherme Salas – 212
14º – Rafael Suzuki – 172
18º – Matías Rossi – 121

Texto: FGCom/Fernanda Gonçalves/Divulgação

Fotos: Bruno Terena/Carsten Horst/Hyset/ Divulgação

Copyright© 2007-2020 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: