Felipe Drugovich tem fim de semana difícil na Fórmula 2

12 de setembro de 2021

A Fórmula 2 finalizou neste domingo (12) no Autódromo de Monza, na Itália, as disputas de sua quinta rodada tripla da temporada. Disposto a buscar recuperação após um sábado difícil, quando ficou fora da zona de pontuação por conta de um incidente na primeira corrida e de problemas técnicos na segunda, o brasileiro Felipe Drugovich largou em quinto na principal prova da etapa, a Feature Race.

Novamente fazendo uma boa largada, o piloto de Maringá (PR) manteve sua posição e chegou a assumir o 4º lugar em uma intensa disputa com o indiano Jehan Daruvala, mas perdeu a posição na reta seguinte. Na 8ª volta, motivados pela entrada do Safety Car, a grande maioria dos pilotos foi aos boxes para a troca obrigatória de pneus.

O piloto da equipe inglesa UNI-Virtuosi voltou à pista na sexta posição entre os competidores que haviam trocado seus pneus, mas, algumas voltas depois, Drugovich e outros pilotos foram atrapalhados por Alessio Deledda – que ainda não feito sua parada – na frenagem da chicane no final da reta principal. E, neste novo incidente, Felipe Drugovich acabou encostando carro de Deledda.

“Eu achei que tinha quebrado a asa dianteira e perguntei ao engenheiro se isso realmente tinha acontecido”, conta Felipe Drugovich. “Ele entendeu que eu estava afirmando isso e não perguntando, me chamou para os boxes e acabei fazendo uma parada totalmente desnecessária”, lamenta o piloto brasileiro, que na sua temporada de estreia na Fórmula 2, em 2020, venceu três provas e marcou uma pole position.

Sem chances de finalizar entre os primeiros colocados depois da segunda parada nos boxes, Felipe Drugovich voltou à pista em 18º, ganhou algumas posições com ultrapassagens ou punições a alguns concorrentes e terminou em 12º.

“O final de semana em Monza foi realmente para esquecer. O rendimento do carro não foi bom o tempo todo. Faltava velocidade em reta, especialmente na terceira corrida. Isso não ajuda, porque para me manter competitivo era preciso dar 100%, enquanto os outros pilotos estavam a 95%. Isso acaba com os pneus e faz com que você fique cada vez mais prejudicado”, explica Felipe Drugovich. “Na classificação é diferente, porque você faz uma volta só, normalmente aproveitando o vácuo, mas na corrida é necessário ser constante. E sem um carro rápido de reta isso é muito complicado”, finalizou.

A Fórmula 2 volta à pista entre os dias 23 e 25 de setembro para a disputa de sua 6ª rodada tripla do ano, em Sochi, na Rússia, mais uma vez integrando a programação da Fórmula 1.

Felipe Drugovich tem o apoio de Drugovich Auto Peças, que atua no ramo de peças para caminhões e ônibus; da Jaloto & Drugovich, destaque nacional no segmento de transporte de cargas paletizadas; e da Stilo, fabricante italiana de capacetes.

Texto: Erno Drehme/KGCom
Fotos: Felipe Drugovich.

Copyright© 2007-2021 – carrosecorridas.com.br | Proibida a reprodução sem autorização

Tags: